Publicado em: 14/03/2017

greve_MINI

“Com o apoio do Prefeito Roberto de Jesus, os professores da rede municipal de ensino estarão, a partir de quarta-feira (15/03), paralisando as suas atividades em protesto contra a reforma da previdência; A paralisação atende a uma convocação nacional feita pela CNTE – Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, com o apoio da CUT; “o Projeto de Reforma da Previdência proposta pelo Governo Federal é controverso e exigirá um amplo debate com a sociedade, sob pena de vivermos indefinidamente em convulsão social”, afirmou o Prefeito Roberto de Jesus.”

Com o apoio do Prefeito Roberto de Jesus, os professores da rede municipal de ensino estarão, a partir de quarta-feira (15/03), paralisando as suas atividades em protesto contra a reforma da previdência proposta pelo Governo do Presidente Michel Temer, que eleva para 49 anos o tempo de contribuição para aposentadoria, com idade mínima de 65 anos.

A paralisação atende a uma convocação nacional feita pela CNTE – Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, com o apoio da CUT – Central única dos Trabalhadores, em defesa dos direitos dos trabalhadores e do povo brasileiro.

Na pauta nacional da Greve Geral, a luta é contra a Reforma da Previdência e pelo pagamento do Piso Nacional do Magistério. Já no Município, a reivindicação se restringe tão somente ao protesto contra a reforma previdenciária, uma vez que Nanuque é uma das poucas cidades do Estado de Minas Gerais que cumpre integralmente com o pagamento do Piso Nacional, tendo sido, inclusive, reajustado no mês de fevereiro em 7,64%.

A Presidente do Sindisena – Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Nanuque, Lualga Miranda, professora por formação, notificou o Prefeito Roberto de Jesus acerca da paralisação, com previsão de duração de 03 dias, começando no dia 15/03 e ouviu do mesmo o incentivo para que os trabalhadores da Educação Municipal cumpram com o seu dever cívico. A categoria avalia a possibilidade de realização de uma caminhada para marcar o protesto.

“O Projeto de Reforma da Previdência proposto pelo Governo Federal é controverso e exigirá um amplo debate com a sociedade, sob pena de vivermos indefinidamente em convulsão social. E nós que somos a favor do diálogo, não vamos de forma alguma censurar o movimento dos professores, até porque ele é legítimo.” Afirmou o Prefeito Roberto de Jesus.

Já a Professora Lualga Miranda, Presidente do Sindisena vaticina: “Esse movimento poderá ser um divisor de águas para que o Governo do Presidente Michel Temer repense essa reforma nos moldes em que ela está sendo proposta. Os trabalhadores e trabalhadoras da Educação não se quedarão inertes ante a perspectiva de terem seus direitos usurpados. Nem um direito a menos. Daí a importância de que se reveste a participação de todos nesta paralisação. E lembrando que temos o apoio do Prefeito Roberto de Jesus”, finaliza.

greve